Prefácio Livro 2!

Gente, vejam que coisa mais linda o prefácio que a Georgette Silen fez para o livro “Sangue & Espinhos”! Até eu fiquei com vontade de ler de novo o que escrevi!

 

“Para conquistar a beleza da rosa, há que se vencer seus espinhos.

 

‘– Ambos temos essa necessidade, não é? – o inspetor falou, simpático, soltando lentamente a fumaça.

– Fumo desde quatorze anos, praticamente uma criança, Simon. Mesmo depois de vampiro não consegui me livrar do vício. E, para ser franco, nunca tentei.

– É mais uma coisa que temos em comum, meu caro. A outra é o fato de sermos lendas que andam entre os humanos, cada qual a sua maneira.’ (página 104)

 

O trecho acima é uma amostra daquilo que o leitor irá encontrar nas páginas de Rosa Imortal – Sangue e Espinhos, da escritora Tâni Falabello. Mas antes de comentar sobre o livro em si, eu gostaria de falar um pouco mais sobre a autora.

Eu escutei pela primeira vez o nome de Tâni Falabello bem antes de ter em mãos os seus trabalhos. Assim como muitos outros autores nacionais iniciantes, ela atravessou percalços. E, por ter conhecimento de alguns dos problemas enfrentados pela autora para tornar pública a série Rosa Imortal, não posso negar a empatia que tenho com essa mineira corajosa, determinada, e que não se deixou abalar.

Tâni ganhou meu respeito naquele momento.

E agora, quando Rosa Imortal – Um Novo Florescer, seu livro de estreia pela Editora Literata, completa quase um ano de publicação, Tâni Falabello traz ao leitor a sequência da trama do clã Griffiths e os bastidores políticos e sociais da sociedade sobrenatural na cidade de Londres, Inglaterra.

Em Rosa Imortal – Sangue e Espinhos, encontramos os personagens amadurecidos, a trama mais ágil e envolvente, e também um aumento considerável nas tensões entre as relações. Não há amor perfeito, não há amizade totalmente verdadeira, nenhum inimigo é declarado e as ações sempre têm prévias intenções veladas. Em Rosa Imortal, tudo é um grande tabuleiro de xadrez. E a próxima peça pode ser movida pela mão que menos se espera fazer parte do jogo.

E assim que verdades vêm à tona, o leitor acabará se perguntando se está lendo uma obra de ficção ou uma alegoria ao próprio comportamento humano, ampliado pelo fantástico.

Os personagens de Rosa Imortal – Sangue e Espinhos nos confundem o tempo todo. É impossível prever quais serão seus próximos passos lógicos, visto que a lógica de cada leitor entrará em choque com a ética deles. Fabian, Eileen, Ann, Thomas, e os novos membros dessa jornada, que se passa no ano de 2006, são tão contraditórios dentro daquilo que acham correto que se cria um cenário interessante para o leitor desfrutar. Não são personagens rasos, pelo contrário, suas paixões são ardentes, seus erros e acertos gritantes e as consequências dos atos repercutem de tal forma na sociedade humana e sobrenatural que os ecos do passado ainda se ouvem no presente.

E continuarão vibrando no futuro, que se mostra cada vez mais incerto para o Regente e os Conselheiros de Londres.

Junta-se a isso doses generosas de mais alguns elementos que um bom romance de vampiros precisa e uma obra de entretenimento está completa: sangue, erotismo e violência.

 

‘Um forte tapa no rosto, deixando marcas de dedos, foi a resposta dele ao prisioneiro, seguido de palavras raivosas entre dentes.

– Nunca mais me chame de servo, infeliz. Não sou escravo de ninguém! Você não sabe de nada, não me conhece para fazer tal julgamento. Seria sensato que se lembrasse de que está em meu poder – falou, apertando ainda mais a fina corrente que marcava fundo a pele de Lawrence, retirando-lhe sangue. Lentamente, Robin lambeu o líquido vermelho que escorria pela mão do vampiro, saboreando.’ (página 110)

 

É pelo sangue que novas relações serão estabelecidas nesse livro. Será pelo elo de sangue que promessas deixarão de ser cumpridas, aliados improváveis serão forjados, inimigos ocultos se revelarão e antigos romances se tornarão conhecidos. E pelo sangue tudo poderá ruir, pois as bases em que os personagens do livro construíram seus castelos são formadas pela fina areia da dúvida e corrupção, ao contrário da rocha sólida da confiança e verdade, e que os corrói lentamente.

Pelas ruas de Londres, imerso no fog, o cheiro de vingança será perceptível aos olfatos apurados. Mas a crença e segurança em mentiras bem tecidas deixarão insensível até mesmo o mais esperto farejador. E os resultados poderão ser reveladores, ou aterrorizantes.

Rosa Imortal – Sangue e Espinhos traz ao leitor a Londres do início do século XXI, cuja pesquisada apurada da autora nos faz penetrar realisticamente em seus cenários, ruelas e avenidas movimentadas.

Além disso, Tâni Falabello nos mostra também um conhecimento detalhado das lendas e mitos sobre as criaturas sobrenaturais na velha Bretanha e traz uma realidade paralela àquela que se apresenta todos os dias aos londrinos, onde até os altos escalões dos órgãos públicos podem ser usados para esconder algo mais do que segredos governamentais.

Uma trama de sangue, poder, rosas e espinhos.

Que o leitor aventure-se pelos bastidores ocultos na fog.

Rosa Imortal – Sangue e Espinhos o convida para momentos de puro deleite.”

Georgette 

Georgette Silen

Autora da série Lázarus (Giz Editorial), As Crônicas de Kira e Fábulas ao Anoitecer (Giz Editorial)